Buscar
  • B+

Operadoras de saúde devem ressarcir o SUS em R$1 bilhão


Imagem: Reprodução

Fonte: Poder 360



Segundo a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) durante o ano de 2020, houveram 630 mil atendimentos realizados pela rede pública. O ressarcimento em R$ 1 bilhão acontecerá, pois os pacientes das operadoras de saúde precisaram passar por procedimentos cirúrgicos ou atendimentos pelo SUS (Sistema Único de Saúde).


Nos anos de 2016, 2017 e 2018 a média de recuperação desses valores era de 70%, somente no ano de 2019, o SUS teve a maior taxa de ressarcimento que foi de 80%.


Entre todos os municípios brasileiros, São Paulo é o que paga os maiores valores. As operadoras que atuam no estado pagam R$2,67 milhões, desde 2016 esse valor expressa 39% do total pago no país. Entre as cobranças emitidas de 2016 a 2020, a cidade também soma quase 19% do valor total pago ou parcelado das cobranças.

Os procedimentos mais caros do SUS são os transplantes de rins, cirurgias múltiplas e tratamentos de doenças bacterianas. Aconteceram 1.550 transplantes de rins pelo SUS em clientes dos planos de saúde, e somente para esse procedimento o ressarcimento será de R$100 milhões. A ANS também nos mostra que aconteceram 31 mil "partos normais", dando o total de R$26,4 milhões em ressarcimento.


As operadores podem contestar o ressarcimento por meio de um procedimento de defesa da ANS, e serão duas instâncias de julgamento.